poema de chuva para stanley kubrick

23:40





depois daquela primeira impressão
que você diria acidental, irônica
                            e eu e meus outros eus diriam clara
gravou-se uma segunda impressão
                                             que não sei bem se você já fotografou
                                               no seu final cut (ou fuck) do nazista louco
pela sua garra de ladrão
                                   mutilados os 
                                                   pedófilos românticos

ah o que eles haviam sido um dia 
                                                   que nostálgica
maravilha 
                 não ser impresso na sua 
                                           retina-tesoura

a rotina corta ação corta ação corta ação 
                                                             shelley descobrindo
que você é muito diferente do woody 
                                                         e malcolm quase cego
a fobia de cobra puto da vida te desejando um câncer
no rabo se possível 
                               mas com toda a admiração que é 
                               necessário manter pelos pontos ganhos.

claro, a segunda impressão. 
desculpe 
se não sou tão
enxuto quanto teu editor 
se não alterno as linhas
com uma letra de música 
genialmente 
insensivelmente
contraposta às sólidas e trágicas 
cartas de suicídio
irreais
provavelmente 
como mais um
poeta pyle

close na fuça do falante
deixa eu falar logo 
da segunda impressão: 
a chuva começa
a cair 
(ext. rua – noite) 
e minhas lentes
oculares 
(plano-detalhe)
duvidam abertamente
do que estão refletindo.
veja que agora tem o 3D 
todas as outras tecnologias que te superaram. 
eu estico a mão
e agarro uma gota dessa chuva 
caindo a 24FPS – 
a água elástica
se move por entre 
os dedos, desenhando 
alguma coisa
que 
não identifico
(int. sala  – noite)
volto a cabeça 
finalmente
as duas câmeras
 pra dentro
me perguntando 
se essa chuva
se essa noite
se esse cheiro 
de fita queimada
não é apenas 
mais uma mentira 
que você me conta
e é claro
eu escolho acreditar.


_Gabriel Resende Santos_

You Might Also Like

1 comentários

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images