3 prosas leves

20:54


toda hora que uma estrela me aparece
eu sento e escrevo
na verdade
agarro a tal estrela
e a esquartejo

a estrela pergunta
“por que me causar dor?
lá em cima meu brilho já não te salva
das noites febris? pra que isso tudo?”

eu respondo
“estrela você não percebe
que só assim teu brilho brilha
nos meus sonhos?”

e fico esperando a conversa em que
tirarei minhas dúvidas com a estrela
que aparecer sentando e escrevendo
na verdade
esquartejando
meu riso mais brilhante
que as três marias.

*


Não digo que a curva
acaba. Porque a curva
não dá sinal de
fim. Não digo que a curva
cresce porque a curva
é revoltada e urra
pelas voltas e revoltas
que sua cara curva cava. Não
digo que a curva encurvada
experimente nua a curva. Não a
curva podre de tão curva
nosferacurva e corcuncurva.
Na recurva em que a curvíssima curva
encurva a corcova aos pés das outras curvas
a curva cala. E lança a espuma essa curva
torta
baixa
e turva.



*

a história é assim:

você acorda no filme de terror

o sonho termina

você acorda

o filme de terror ainda está lá

você acorda

o sonho termina

o filme de terror no sonho

você acorda

o sonho ainda está lá

o filme de terror é assim

você termina



_Gabriel Resende Santos_

You Might Also Like

0 comentários

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images